quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Capítulo 14 - Emily

30 Seconds To Mars-The Fantasy

Powered by mp3skull.com













Eu quero reconciliar a violência no seu coração
Eu quero reconhecer que a sua beleza não é só uma máscara
Eu quero exorcizar os demônios do seu passado
Eu quero satisfazer os desejos secretos do seu coração
(Muse – Undisclosed desires)


Eu a olhei no fundo dos olhos, e isso parece ter feito com que ela se encolhesse ainda mais, Flávio atrás de mim que parecia já me conhecer tão bem, ao ver a hostilidade aumentando em mim pelos os meus batimentos, pegou em minha mão.
- Catarina que tal voltarmos ao treino? – Ele sugeriu já me virando.

Eu assenti, mas antes de me virar um sentimento novo veio rápido a mim como um turbilhão, um sentimento de... Eu não sei explicar eu só sabia que ela era falsa, ela não era essa menina que fingia ser, mas algo em mim também sabia que combater fogo com fogo era melhor do que com água, então se é para ser simpática, eu sei ser quando eu quero, pelo menos vou ser até que eu descubra o que ela quer.
- Me desculpe Emily eu só estou um pouco cansada, e me perdoe é que eu ainda não entendo bem essa guerra, mas pelo o que eu ouvi do seu pai, digamos que ele não é lá meu grande fã então... Não se ofenda por eu agir assim. – eu disse sorrindo gentilmente e me virando – Mesmo assim obrigada.
Ela me encarou, parecia que estava se questionando da onde aquela atitude tinha surgido.

Emily:

Aquele olhar veio como um choque que paralisou todo o meu corpo, por um segundo em seus olhos parecia que ela tinha me reconhecido, eu fiquei parada, instável, apenas esperando o próximo passo, até que aquele reconhecimento passou e então ela era só a Catarina.
Ela falou primeiro.
- Me desculpe Emily eu só estou um pouco cansada, e me perdoe é que eu ainda não entendo bem essa guerra, mas pelo o que eu ouvi do seu pai, digamos que ele não é lá meu grande fã então... Não se ofenda por eu agir assim. – ela fez uma pausa e se virou sorrindo – Mesmo assim obrigada.
Eu a encarei, da onde tinha vindo toda aquela hospitalidade? Será que ela tinha se lembrado e por isso estava agindo assim? Eu fiquei em silêncio por um instante, eu não sabia, mas ainda sim eu continuaria com o meu plano, não poderia por tudo a perde, não poderia por o Pedro a perder por causa dela, não de novo, mais cedo ou mais tarde Pedro vai ver que eu sou a melhor pessoa p. ele, e enquanto isso não acontece, eu vou digamos que apressar um pouco as coisas, pelo o que pude perceber ele já sente algo por ela, eu sabia que isso ia acontecer, ela tem a aparência exata da Katherine, de uma forma tão bizarra que me deu um arrepio quando a vi, mas tanto eu quanto ele sabemos que ela não passa de uma humana frígida, e tão patética quanto a Katherine era, e ela não vai ficar no meu caminho.

Pedro se virou e começou a andar em direção a mansão, eu andei rápido até ele, e peguei sua mão, nesse momento ele se virou e me olhou nos olhos, ficamos nos olhando por um tempo até que ele soltou sua mão.
- Desculpe Emily eu não posso fazer isso. – ele disse virando o rosto para o outro lado
- Fazer o que? Ter algo realmente sólido com alguém que te entende? E que realmente se importa com você? – eu disse virando o rosto dele
- Emily eu só... Eu não posso.
Eu o olhei nos olhos.
- Pedro eu sei que você ama a Catarina eu não sou tão patética assim a ponto de não percebe, e realmente como não amar? Pelo o que vi nesses poucos segundos ela me pareceu tão doce quanto a Katherine, só que ela não é a Katherine Pedro, ela é uma humana, e você sabe o que é melhor para ela e para você, então porque você luta tanto contra isso? Deixa eu te fazer feliz?
Ele me olhou nos olhos, ele realmente me olhou nos olhos pela primeira vez depois de todos esses anos, desde que ele voltou para cá.

- Emily eu sei, mas eu preciso de um tempo, eu não posso fazer isso com você, você não merece é a pessoa mais doce e sensível que já conheci sempre pensando nos outros antes de você, você é incrível, mas eu só preciso de um tempo, eu não estou dizendo não definitivo, só estou dizendo que agora não entende? – Isso já estava me irritando, ter que fingir ser a Emily legal, a Emily boazinha, a que se preocupa com todos, a sensível e ainda não adiantar de nada, mas eu sabia que só precisava esperar se eu revelasse meu lado um pouco mais... Selvagem isso poderia estragar tudo então paciência, ele vai ser meu na hora certa e eu sei que falta muito pouco para isso.

- Eu entendo Pedro é claro, você tem o tempo que quiser, sabe que eu vou estar sempre aqui por você.
Ele beijou minha testa
- Eu sei, obrigada Emily – eu me contorci com o seu toque, ele iria ser meu, ele tinha que ser, isso já era uma questão de honra ele iria ser meu, nem que para isso eu tivesse que matar um por um dessa ordem, ele vai ser meu.

Pedro foi resolver assuntos da ordem, que eu sabia claramente que deveria ter haver com os ataques que meu pai estava fazendo em uma cidade próxima, ele provavelmente foi pedir o apoio da família Hanrisson que claro era uma das mais importantes hoje no nosso mundo, tendo grande influencia dentro da ordem, provavelmente eles recusaram e meu pai queimou toda a propriedade deles, isso era uma das coisas que eu mais gostava em meu pai, o modo como ele resolvia as coisas, em silêncio, sempre pensando em cada detalhe, e causando estragos inimagináveis, parece que herdei isso dele. Nesse momento um sorriso se abriu em meu rosto com esse pensamento.

Fui até meu quarto tomar um banho, e depois estava pensando em fazer uma visita para minha mais nova prima e mostrá-la a mansão, eu precisava que ela confiasse em mim, o que eu esperava que não fosse tão difícil considerando o quanto os humanos são tolos, e úteis ao mesmo tempo, ganhe a confiança deles e você poderá matar toda a sua família na sua frente que ainda sim eles serão fiéis a você, eu soltei uma gargalhada, humanos... Uma perda de tempo.

Depois de um banho longo e demorado, me vesti da melhor forma possível, é claro que essa não era a maneira mais rápida para seduzir Pedro, mas é sempre útil, mas não me vesti nem muito sensual e nem muito certinha, eu equilibrei os dois, afinal eu ainda sou a Emily legal e doce, eu ri.

Ao terminar de me arruma fui ao quarto de Catarina, ao chegar bati na porta e ouvi sua voz pedindo que eu entrasse. Quando passei pela porta, ela se surpreendeu ao me ver, mas logo abriu um sorriso, o que me fez desconfiar, mas me sentir aliviada ao mesmo tempo, pelo o visto ela era mais estúpida que a Katherine, seria mais fácil enganá-la.

Eu sorri.
- Boa noite, desculpe vir assim sem avisar, é que... Bem olha me perdoe pela forma que eu falei hoje mais cedo, você não me conhecia, tinha todo o direito de dizer o que disse eu no seu lugar faria a mesma coisa, só acho que começamos com o pé esquerdo, que tal tentarmos de novo? – eu sorri, era o que sabia fazer de melhor, com tantos anos de pratica agora se tornara espontâneo agir como a Emily boa.
Ela sorriu de volta e se levantou da mesa, ela estava jantando.
- Me perdoe também não era sua culpa, como você mesmo disse não temos nada haver com essa guerra e foi prepotência minha te envolver, então me desculpe – ela sorriu e estendeu sua mão na minha direção – Prazer eu sou Catarina, filha do seu tio Henrique – ela riu

Eu ri de volta
- Prazer eu sou Emily – eu disse sorrindo, essa garota era mais estúpida do que eu esperava o que o Pedro viu nela? Mais um motivo para eu mostrar a ele, que ele merece algo melhor, que eu sou perfeita para ele.

Ela me puxou e sentamos em sua cama, passamos horas ali conversando contei toda a minha história com a Katherine, claro modificando alguns pontos, acrescentando outros, enfim... Ela deveria acreditar que Katherine e eu éramos unidas, isso daria a ela a confiança de que faltava para começar a ser intima minha.
- Então você a Katherine cresceram juntas? – ela disse interessada pela história.
- Sim, quando minha mãe ficou grávida meu pai ainda estava na ordem, mas depois de alguns anos ele se revoltou contra meus tios e saiu da ordem, eu e minha mãe fomos com ele no início, mas depois minha mãe disse que ele começou a ficar agressivo e então ela voltou e pediu proteção ao Henrique, até alguns anos atrás ele me enviava cartas, eu nunca as respondia então ele parou. – eu fiz uma pausa para ver a reação dela, ela continuou concentrada – Enfim, eu vivi com a Katherine desde então, éramos como irmãs, ao contrário de todos ela estava realmente ao meu lado, e agradeço todos os dias por ela ter existido, quando ela morreu eu simplesmente não soube o que fazer, foi como se um abismo se abrisse abaixo de mim, mas agora eu posso vê-la em você – nesse momento ela virou o rosto – Me desculpe eu não estou dizendo que você é ela, eu quero dizer que a vejo em você de uma forma boa, você é tão doce quanto ela, e as duas são incrivelmente simpáticas, e pelo o que soube você é tão forte quanto, mas se precisar de mim saiba que eu estou aqui. – todo esse papo “Catarina você é incrível” já estava me cansando, mas era preciso, esse era o primeiro passo para conquista a confiança dela.
Ela sorriu
- Obrigada Emily, saiba que a Katherine pode ter ido, mas eu ainda estou aqui e se precisar pode contar comigo também – ela sorriu.
Eu me levantei puxando para ficar de pé também.
- Agora vamos, quero te levar para dar uma volta na mansão você ainda não viu nada – eu sorri;
Ela retribuiu o sorriso e me seguiu;

Fomos até a parte mais interna da mansão depois de entra em alguns corredores e subir uma escada, passamos por uma porta e estávamos no terraço, só que não era bem um terraço era um jardim lindo, feito por um incrível paisagista, ele era cheio de flores de múltiplas cores, mais a direita ficava um deck de madeira com roseiras crescendo por toda a sua extensão como se pudessem tocar o céu, até o deck tinha um caminho de pedras que nos levava até ele, e em volta era tudo flores, tinha desde jasmins até gloxínias, um mini paraíso, sobre o jardim havia pequenas luzes lindas, que representavam as estrelas. Catarina ficou sem reação ela observava tudo com atenção, e com a boca aberta.
Eu sorri

- Gostou? – eu me aproximei dela, já que ela tinha ficado parada ao ver o jardim.
- Meu deus, é a coisa mais linda que eu já vi. – ela me olhou – Que lugar é esse?
- Katherine era louca por flores, simplesmente apaixonada, então depois que ela morreu Henrique mandou fazer esse lugar.
Catarina olhou o lugar admirada
- É lindo.
- Eu tenho certeza que sim – eu disse me virando e andando – venha vamos ao deck, a vista de lá é melhor.
- Sim

Catarina me seguiu e ao chegar ao deck sentamos no sofá que estava lá, e ficamos conversando, eu contei sobre como Henrique mandou fazer aquele lugar, e depois vi que pela hora Pedro já deveria ter chegado, e eu precisava falar com ele, falar sobre o tempo que ele me pediu, e mostrar que ele não precisa dela.

- Catarina, agora eu tenho que ir resolver uns assuntos da ordem, mas você pode ficar aqui quanto tempo quiser, esse lugar é de todos nós – eu sorri
Ela assentiu
- Obrigada
- Não tem de que
E então eu sai e fui ao encontro de Pedro.

Fui direto para o seu quarto, quando cheguei bati na porta e ele atendeu só de toalha. Ao vê-lo ali sem roupa eu quase o agarrei, montei em cima dele, e o beijei, mas eu tinha que ter controle, se eu fizesse isso eu sei que cederia, mas depois ele desistiria então eu me virei e tampei os olhos como se desconfortável com aquilo quando na verdade eu estava adorando.

Eu pude ouvir o som do seu riso.
- Pode entrar e me desculpa Emily eu não imaginei que você fosse, entre só um minuto e eu já volto.
Eu entrei e me sentei na cama dele, seu quarto era simples, não tinha nada além do necessário, uma cama, um armário, o banheiro e uma mesinha ao lado da cama com um abajur.
Ele voltou mais rápido do eu pensei e parou na minha frente agora com um calça jeans, e uma blusa cinza apertada.
- Desculpe por aquilo, mas aconteceu alguma coisa? – ele disse parado na minha frente, eu me levantei.
- Está tudo bem, me desculpe por vir sem avisar, mas é que eu preciso conversa com você.
- Pode falar – ele disse a aproximando.
- Na verdade eu queria conversa com você em outro lugar, que tal darmos uma volta? – eu sorri docemente
- Claro, vamos.

Nós fomos para a parte de trás da mansão em uma parte mais próxima da floresta, e se tudo desse certo Catarina me veria com ele essa noite, e desistiria de vez.
Ao chegar lá, eu parei e ele se virou para me olhar.
- O que foi? – ele disse se aproximando – Porque você está agindo assim Emily?
- Pedro... Olha eu sei que você disse que precisava de um tempo, e eu entendo, eu juro que entendo, mas é que eu não vejo motivo pelo qual você não posso ao menos tentar, você tem toda a eternidade Pedro e tudo o que eu estou pedindo são alguns meses, ou menos não importa, eu quero apenas que você tente você sabe o que eu sinto Pedro, eu nunca escondi isso, e sabe o quando eu me importo com você, e nós nos damos tão bem, e eu sei que você gosta de mim também então... Olha me desculpe eu não quero te pressionar, eu só quero entender, quero que você veja que você pode ser feliz.
Ele me encarou e depois se virou
- Emily nós já falamos sobre isso, não se trata de você e você sabe disso, eu preciso de um tempo Emily, porque eu não quero te magoar, é por eu gostar de você que eu estou fazendo isso.
- Você não precisa se preocupar comigo ok? Eu sou bem grandinha já Pedro, e sei me cuidar então, por favor, encare que isso se trata apenas de você.
Nessa hora ele se virou e me olhou
- Emily... Você sabe o que eu sinto e mesmo assim quer ficar comigo?Por quê?
Eu o olhei no olhos
- Porque eu me importo com você, e não importa como você se sente Pedro, não há nada que o tempo não cure.
- Emily, você está enganada, e você não merece isso.
- Eu mereço você Pedro, e pronto.
- Emily... – eu coloquei meus dedos delicadamente sobre a sua boca.
- shiiiiiiiu... Não fala nada. – Nesse momento eu me aproximei e o beijei, o beijo foi incrível, no começo ele não correspondeu como eu gostaria, mas depois ele me abraçou com mais força e eu tive a certeza de que éramos feitos um para o outro, eu o virei de costa para a mansão e continuei o beijando, mas abri os olhos para poder ver se Catarina assim como o esperado estaria vendo, e para minha completa felicidade, eu puder ver uma lágrima cair, e ela se virar e sair correndo do telhado, agora tudo estava perfeito Pedro finalmente se entregando e Catarina fora do caminho.
Ele se afastou delicadamente afastando minhas mãos de seu pescoço e segurando-as.
- Eu não quero te magoar Emily, eu tenho que ir – antes que eu pudesse falar alguma coisa ele já havia sumido no momento eu fiquei arrasada, mas depois um alívio correu pelo meu corpo, pelo menos nossa relação já tinha evoluído e Catarina tinha visto o beijo e teria de se conforma, se as coisas não estavam boas entre eles antes agora estariam totalmente acabadas.

2 comentários:

  1. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaain que lindo, P-E-R-F-E-I-T-O. Parabéns Juzinha! Tá tudo maravilhoso.

    \Fran

    ResponderExcluir
  2. Karina-Cullen Salvatore23 de agosto de 2011 19:35

    Estou cada vez mais odiando a galinha da Emily `-´

    ResponderExcluir